quinta-feira, 8 de maio de 2008

“Ingenuidade” Mundana




Estando na fase da adolescência, acordo subitamente para uma sociedade com a qual nunca me tinha deparado.
Procuro incessantemente os valores para a base de um mundo correcto, humilde e frontal, mas tudo o que encontro me desperta repugnância e desprezo.
Todas as “figuras” que, supostamente, deveríamos idolatrar e seguir como exemplo, não passam de uma farsa e são os fundadores desta podridão submersa. Olho e à minha volta só existe oportunismo, cinismo e corrupção. Pergunto-me a mim mesmo como foi possível descermos tão baixo…como foi possível tornarmo-nos pessoas tão frias, sem escrúpulos, “coisas” (não consigo atribuir outro nome a quem “faz” esta sociedade) que transbordam indiferença, egocentrismo…
Será que podemos confiar nas futuras gerações? Gostava de afirmar convictamente “Sim!”, no entanto, mais do que nunca o valor impingido pelos pais nas crianças é o de lutar por uma vida melhor, tendo como consequência a restrição de amizades (as menos convenientes), o “uso” daqueles que nos rodeiam e a estruturação de uma vida à base do oportunismo e da “necessidade”. Provavelmente, tudo isto se deva à dificuldade de “sobrevivência” neste mundo competitivo, onde cada vez mais a imagem e o poder se têm afirmado como um factor relevante. É como se estivéssemos a criar um novo tipo de “Nobreza”, baseada nos mesmos pilares da Nobreza Monárquica, o Poder.
Será que estamos em regressão? “Nós” que nos assumimos como sendo modernos e liberais? Será que ainda há espaço para “almas” puras neste mundo?
Espero com ansiedade o “amanhã” com a esperança de estar errado…





Pedro Pateira, 11ºE

2 comentários:

Fátima Inácio Gomes disse...

Muito bom, Pedro. Com grande correcção no discurso, equilíbrio e atravessado por um "fino sentimento". Gostei.

marianalomba disse...

Ta msm muito bom sr pateira :D PARABENS *