sexta-feira, 19 de outubro de 2007

A vida por um fio...



Strings, é um filme dinamarquês de 2004, realizado por Anders Rønnow Klarlund, e tem o mérito de ser a primeira longa metragem exclusivamente “interpretada” por marionetas, em que os próprios fios das marionetas fazem parte do argumento. Precisou de 4 anos de preparação e 23 semanas de filmagens. A ideia surgiu quando Anders Klaklund queria fazer um filme sobre terrorismo e como os EUA reagiram aos atentados de 11 de Setembro.
A morte do imperador The Kahro, e uma trama pelo poder, levam Hal Tara, o filho do imperador e herdeiro do trono, a deixar a segurança da cidade de Hebalon na busca do seus maiores inimigos, e presumíveis responsáveis pela morte do imperador, os Zeriths. Durante a sua demanda de vingança pelo seu pai, Hal descobre a verdade sobre o seu passado e o seu povo…
Munido de excelentes “actores”, que se poderão dizer bicéfalos (é de louvar todo o trabalho por parte dos titereiros e também dos actores que fazem as vozes), e aliado a uma excelente história, num mundo em que “fios do Céu criam toda a vida na Terra”, Strings é sem dúvida uma excelente produção, digna de todos os recursos e tempo gastos.
Nuno Areia 11º C

6 comentários:

Scorpionster disse...

titeteiro... a primeira vez que ouvi isso ro descontroladamente... o filme parece potente... tem sangue?? ou seiva???

Scorpionster disse...

ou verniz...
verniz tambem serve...
?

Nuno_Areia disse...

ahh, acho que era titereiro... stora, o dicionario era antigo...

aquilo e giro pq ao executar alguem e so curtar um fio que vem ter a cabeça, e os gajos ficam pendurados pelos braços (mas ja vi o filme ha algum tempo, por isso, n tenho a certeza)

Fátima Inácio Gomes disse...

Eu conheço "titereteiro", de títere (fantoche), mas já verifiquei e também se pode dizer assim ;)
Não foi há tanto tempo assim que eu li sobre esse filme... creio que chegou a Portugal só no ano passado. Achei a fotografia fascinante... e a ideia (a menos que o esteja a confundir com outro...)
O teu comentário está sóbrio, pautado pela eficácia. Tem uma boa componente informativa, a curta e esclarecedora sinopse, a componente argumentativa criteriosa e um título maravilhosamente adequado.
Profissional! ;-)

Scorpionster disse...

ri*

Fátima Inácio Gomes disse...

invejoso!
:p