segunda-feira, 25 de junho de 2007

AUSÊNCIA


Ausência


Num deserto sem água

Numa noite sem lua

Num país sem nome

Ou numa terra nua


Por maior que seja o desespero

Nenhuma ausência é mais funda do que a tua.



Sophia de Mello Breyner Andresen




Escolhi este poema nem sei bem porquê: vi e pronto. Algo nele me chamou. Este poema chamou-me penso que foi graças ao vazio que me transmite, o factor da ausência de alguém querido ser mais importante do que a própria vida da pessoa que fica. Pois mesmo que estejas desesperado, a morrer, sem esperança para o futuro, ficará sempre na mente a dor da ausência da pessoa querida, acima das outras dores todas, físicas ou psicológicas.


Rui Lima, 10º C

2 comentários:

Fátima Inácio Gomes disse...

Eis outro poema que me arrebata!!! Tão simples na sua composição e tão profundamente agudo na expressão!
Parabéns pela escolha, Rui! É belíssimo e dirá muito de ti!

Paulinhah disse...

xi!!!

='O

Amei mesmO!!!


=')


fantasticO. . .


Paulinhah*