domingo, 30 de janeiro de 2011

Juno


Lançamento: 25 de Dezembro de 2007
Duração: 96 minutos
Director: Jason Reitman
Género: comédia, drama





Juno é uma história simples, mas com personagens complexas, brilhantemente interpretadas por artistas de grande calibre. Esta produção trata um problema da actualidade - a gravidez na adolescência - um tema difícil mas que é muito bem conduzido por Jason Reitman através de diálogos fáceis e precisos. A história é centrada em Juno (Ellen Page), uma estudante comum que, após ter tido relações sexuais sem protecção com Bleeker (Michael Cera), se torna[-s] em mais uma rapariga grávida aos 16 anos. Apesar da noticia lhe ter[-lhe] provocado um choque inicial, Juno decide encarar a situação com força e carácter, superando da melhor forma que pode todos os dramas da gravidez na sua idade. Para lidar com esta difícil situação conta com a preciosa ajuda da sua família, principalmente do seu pai (J.K.Simmons), que lhe dá todo o apoio e ajuda necessários. Pondo de parte a ideia de fazer um aborto por achar que o fecto não tem culpa do erro que ela cometeu, Juno irá começar uma procura pelos perfeitos pais adoptivos para o seu bebé, para que estes lhe possam [lhe] dar a estabilidade que ela não pode. A sua busca parece ter chegado ao fim quando conhece Vanessa (Jennifer Garner) e Mark (Jason Bateman), um casal amável e bem sucedido que rapidamente conquista a simpatia e preferência de Juno.
Apesar de retratar uma história dramática, o filme também apresenta uma leve tendência de comédia, mais uma vez, através de alguns diálogos entre as personagens mais jovens em que somos brindados com alguns momentos de diversão que ajudam a aliviar o drama criado pela gravidez.
Na minha opinião, Juno é um filme de alta qualidade que trata um problema contemporâneo juvenil. Arrisco-me a dizer que, o que o filme tem de tão diferente, é o facto de ser tão real que facilmente nos poderia ter acontecido a nós. O filme marcou-me devido, principalmente, ao modo como Juno reagiu perante o seu problema. Devo também destacar a brilhante prestação de Ellen Page pela naturalidade e talento que possui.
A provar a enorme qualidade do filme são as receitas nas bilheteiras norte-americanas, cerca de 100 milhões de dólares, um número nada mau para um filme que era apenas apontado para estrear em pouco mais de 50 salas de cinema norte-americanas e que acabou por passar em 2000.



Ângela Manuela, 10º A

4 comentários:

Anónimo disse...

SUSSAS

Anónimo disse...

bom texto amiga (desculpa o sussas )

Fátima Inácio Gomes disse...

Linda, tens colagens directas daqui: http://portalcinema.blogspot.com/2008/02/crtica-juno.html
Até nos erros da colocação pronominal...

Prefiro análises curtas, mas pessoais.

Mayara Rodrigues disse...

Adorei esse filme. (: