segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Insânia


Esgravato o ventre
à procura dum
tu:
que não seja eu;
.................nem seja
nós.
Gritam-me já as unhas,
da [minha] tua voz!
Verniz de seda plangente...

Oh loucura esfomeada, cuidas
ter-me como refeição?
Pois bem, que seja.
Faço-me carne tua
de bandeja,
com alface e coração!

um,
dois,
quatro,

shh...

Quando estavam sós,
brincavam as bonecas da menina;
mas fingiam-se de mortas,
mal a gente lhes bulia.

6 comentários:

Cláudia disse...

mais isto
ahhh sempre tenho ainda um bocadinho d trafego...:D

#oh bru...scorpionster envia-me da tua STUFF pr'ó mail...anda lá! :P

Fátima Inácio Gomes disse...

... pró mail e prá qui! :D


Ai Cláudia, nem sonhas a perturbação que me causas quando te leio... TENHO a CERTEZA que vou ficar muito honrada por de ter sido tua professora!... já me sinto.

És absolutamente mágica! consegues ir tão fundo e, num ápice, cravares no poema um golpe surreal... o "Faço-me carne tua de bandeja, com coração e alface" é absolutamente brilhante, inesperado!

A última quadra... belíssima! '-)

Scorpionster disse...

ui... tá mau isso de coiso...

tendo em conta que mediante certas e determinadas situações despoletadas por inúmeros factores, nomeadamente os que acontecem sempre que tal é necessário e/ou de coerência exacerbada com o que realmente faz falta,isto de ser ou não ser o que é de facto acertado na fronteira do inconcebível e secreto torna-se deveras saboroso, comparado como é óbvio com o mais pútrido dos bróculos...



isso que te aconteceu é um péssimo argumento para delegares funções, quer seja eu defensor ou não do que por detrás disso se esconde...

Scorpionster disse...

ui... a segunda parte tá um bocadinho ambígua... se precisares de tradução diz... até lá deixo-te o exercício mental... não que te faça falta...

Cláudia disse...

@" a segunda parte tá um bocadinho ambígua... "
qual quê?...absolutamente perceptível
*cof
sempre sucinto e transparente!
Que regalo!

...és o caos na sua mais fantástica e colossal acepção. :p

@...soubessem o qto fervilham as saudades qdo me imagino sem o timbre das palavras de certa mestra
chamem-lhe graxa lerdos...ou que raio quiserem chamar!
eu lá sei o que pressinto

Scorpionster disse...

pum... :-)